quarta-feira, maio 24, 2006

 

Natureza extinta


(Qualquer semelhança com a realidade será pura coincidência.)

Artur levantou-se após várias tentativas de o acordar feitas pela mulher, que acabou por lhe atirar com um sapato para cima.

Entreabrindo os olhos escorregou para o chão e arrastou-se até à cozinha balbuciando frases incompletas aos filhos que encontrava pelo caminho.

- Grumblsssshh...

Abriu o frigorífico, carregadinho de tachos com restos de comida, para retirar um pacote de sumo de laranja de rua e um pedaço de queijo de cão, da serra da estrela.

Ligou o rádio na esperança de camuflar o zumbido constante que há meses se tinha instalado algures no seu sistema auditivo. Não tinha créditos para uma revisão e o zumbido ajudava-o a isolar.

Congeminava a avaliação da próxima travessia do Transatejo (Trancão, Tejo e Sado, ver mapa 1).

Estava com alguma dificuldade em decidir o método de avaliar os impactos genéticos provenientes da utilização da teia de aranha de baleia do Tejo no tubo.

Nos últimos anos tinham desaparecido alguns cargueiros, sendo avistadas nas proximidades sardinhas tecelãs do golfo.

Mesmo utilizando o recente sistema de navegação de rastreamento por ronaldões-polarizados, comum à união asio-afro-europeia, não havia registos suficientes para concluir alguma coisa de concreto.

Suspeitava da organização que ganhara o concurso público-interregional. O preço proposto estava muito acima do preço base. No entanto, a argumentação tinha sido aceite, após longos anos de negociação às custas da autoridade metaurbana da Zibreira-Gozondeira, capital da comunidade ultra-urbana do vale do Trancão.

A equipa de negociação era liderada pelo antigo ministro, ex-presidente da prevenção fluviária, actual acessor do mistério das obras impolutas. Só em custas de acessoria tinham gasto mais de 20 milhões de euro-asiáticos, não havia memória de outra coisa assim.

Talvez tenha sido apagada.

Após alguns golos de sumo decidi-me pelo pior. Já há muito tempo que ansiava por uma coisa assim, peguei no mata moscas e esmaguei a aranha que descia à minha frente presa por um fio.

Comments:
eh lá..... temos um filipe capa dique....
 
Na verdade são apenas histórias da travessia do tejo e uma broca!
 
Enviar um comentário

<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?